Glossário

A

Abrasão

Desgaste dos painéis por atrito com outros materiais. Alguns compensados são resistentes à abrasão superficial, como o compensado plastificado.

Acondicionamento

Tempo necessário para que a madeira se adapte às condições de umidade e temperatura locais.

Adesivo

Substância, de origem sintética ou natural, que une elementos de madeira. Também denominados por colas e resinas, os adesivos podem ser específicos para aplicações em ambientes internos e externos. Veja na tabela abaixo:

PAINÉIS DE MADEIRA E APLICAÇÕES – CONFORME O TIPO DE ADESIVO

Adesivo Aplicação Ambiente
Fenol-formaldeído (FF) Estrutural Exterior
Resorcinol-formaldeído (RF)
Fenol-resorcinol-formaldeído (FRF)
Melamina-formaldeído (MF)
Melamina-uréia-formaldeído (MUF) Exterior limitado
Epóxi
Uréia-formaldeído (UF) Interior
Poliuretano (PU) Semi-estrutural Exterior limitado
Hot melt Não estrutural Interior
Polivinil acetato (PVAc)

Aplainamento

Processo que uniformiza a superfície da madeira, sendo realizado manual ou mecanicamente, através de cepilhos e plainas.

B

Brometo de Metila

(bromometano, methyl bromide | mb)
Produto químico utilizado para o tratamento fitossanitário da madeira. É fumigado na peça de madeira em invólucros (contêineres ou câmaras de lona). O seu uso, porém, tem sido descontinuado em muitos países por ser perigoso para o meio ambiente e para as pessoas.
ver Tratamento Térmico

C

Capa

(face)
Uma ou ambas as faces do compensado.

CCB O

(Borato de Cobre Cromatado | CCB Óxido )
Produto preservativo, solúvel em água, de ação prolongada. É utilizado para tratamento da madeira em autoclave, protegendo-a contra o ataque de organismos xilófagos.

CERFLOR

(Programa Brasileiro de Certificação Florestal)
Programa brasileiro para a certificação de madeiras, provenientes de manejo florestal.

Classificação das chapas

Os compensados são classificados com base na qualidade da capa e contra-capa após seu processo produtivo. Para isso, consideram-se tipo, quantidade e dimensões dos nós.

CLASSIFICAÇÃO DAS CHAPAS

A B C+ C D
A, B, C+, C, D – a classificação dos compensados considera a quantidade de nós em sua capa e contra-capa, ex.: C+/C.

Clear blocks

Bloco de madeira aplainado nas 4 faces, isento de defeitos, como trincas e nós.

Compensado

(plywood, contraplacado, contrafolheado, laminado, multilaminado, madeira compensada)
Chapa sólida, constituída por lâminas de madeira cruzadas entre si.

Compensado combi

Chapa de madeira compensada, composta por lâminas internas (miolo) de madeira de Pinus e lâminas externas (face) de madeira tropical.

Compensado fenólico

Chapas cujas lâminas de madeira são unidas com resina fenólica (à prova d’água). Os compensados fenólicos, geralmente, são utilizados na produção de fôrmas para concreto.

Compensado naval

(contraplacado naval, marítimo)
Chapas “navais” têm resistência à água devido a resina fenólica utilizada em sua fabricação.

Compensado plastificado

Painel revestido com filme fenólico, suas gramaturas variam de 120 a 180g/m². Esse compensado é utilizado na produção de fôrmas para concreto aparente.

Contra-capa

(contra-face)
Face do compensado cuja lâmina possui qualidade inferior à capa.

Conífera

(Softwood | madeira macia)
Madeira proveniente de árvores coníferas, do grupo das Gimnospermas. Árvores, cujas folhas têm formato de agulha ou escamas. Ex: Pinus e Araucária.

Pinus: conifera
Folhas em formato de agulha do Pinus Elliottii. Árvore do grupo de coníferas (softwood).

Creosoto

Produto preservativo oleoso, de ação prolongada, utilizado para tratamento da madeira em combate ao ataque de organismos xilófagos.

D

Delaminação

Processo em que as lâminas do compensado se separam. Isso pode ocorrer por falhas durante o processo de colagem ou por incorreta aplicação das chapas.
ver Adesivo

Desenforma

Processo de retirada das fôrmas de peças concretadas. Alguns produtos evitam a impregnação do concreto na fôrma e facilitam o desmolde. Eles são indicados para a aplicação em fôrmas para concreto aparente e não aparente.
ver Desmoldante

Desmoldante

Produto aplicado no compensado quando utilizado na produção de fôrmas para concreto. Seu uso facilita o processo de desenforma – remoção da fôrma após a cura do concreto.
veja também: Desmoldante para fôrmas plastificadas

DOF

O Documento de Origem Florestal – DOF, foi instituído em 2006, pelo Ministério do Meio Ambiente, para desacelerar a extração ilegal de madeira no Brasil. Desde então, a madeira nativa só pode ser comercializada no país com o DOF, que acompanha o produto e o subproduto florestal, da origem ao destino.

Produtos e subprodutos nativos florestais

Produto florestal Subproduto florestal
Em estado bruto – in natura. Foi beneficiado
– madeira em toras;
– toretes;
– postes não imunizados;
– escoramentos;
– palanques roliços;
– dormentes nas fases de extração/fornecimento;
– estacas e moirões;
– achas e lascas;
– pranchões desdobrados com motosserra;
– bloco ou filé, tora em formato poligonal, obtida a partir da retirada de costaneiras.
– madeira serrada sob qualquer forma, laminada e faqueada;
– dormentes e postes na fase de saída da indústria.
Para conferir a lista completa, clique aqui.

 
veja também: Aquisição de madeira legal

E

EPC

Equipamentos de proteção coletiva são utilizados no canteiro de obras para assegurar operários contra possíveis acidentes coletivos, como quedas e choques elétricos.
veja também: Proteção coletiva no canteiro

Esquadrejamento

Etapa de produção do compensado onde a chapa passa por uma serra esquadrejadeira que lhe proporciona suas dimensões comerciais, de comprimento e largura.

F

Fenol-formaldeído

(resina fenólica | FF)
Resina sintética composta por fenol e aldeído. É utilizada na produção de compensados estruturais e à prova d’água.
ver Adesivo

Finger-joint

Pequenos dentes, com encaixe macho-fêmea, que unem duas peças de madeira.

finger-joints
Detalhe da emenda tipo finger-joint

Folhosa

(Hardwood | madeira dura)
Madeira proveniente de árvores folhosas, do grupo das dicotiledôneas. Árvores de folha larga, reúnem a maior parte das árvores brasileiras, dentre elas: andiroba, jatobá, mogno, ipê, cedro e o eucalipto.

Eucalipto: folhosa
Folhas largas do Eucalipto. Árvore do grupo de folhosas (hardwood).

I

IMAFLORA

(Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola)
Certificadora nacional FSC.
Veja + em IMAFLORA

J

Junção à meia-madeira

Duas peças de madeira são unidas através de corte e sobreposição. As peças de madeira a serem unidas têm, geralmente, a mesma espessura e é realizado um corte até a metade da espessura de cada uma. A ligação à meia-madeira é utilizada na construção civil, em pontaletes, e possui resistência média.

junção à meia-madeira

junção à meia-madeira

L

Lâminas cruzadas

Lâminas internas perpendiculares às lâminas da capa (face) do compensado.

M

Madeira serrada

Peças de madeira que apresentam algum grau de processamento, através do desdobro da tora, como pranchas, tábuas, vigas, entre outras. Veja no quadro abaixo as principais e suas medidas comerciais:

DIMENSÕES DOS PRINCIPAIS PRODUTOS DE MADEIRA SERRADA

Produto Espessura
(mm)
Largura
(mm)
Comprimento
(m)
Bloco Variável Variável Variável
Caibro 40 – 80 50 – 80 Variável
Dormente 160 – 170 220 – 240 2,00 – 5,60
2,80 – 5,60
Prancha 40 – 70 Maior que 200 Variável
Pranchão Maior que 70 Maior que 200 Variável
Pontalete 75 75 Variável
Ripa Maior que 20 Maior que 100 Variável
Sarrafo 20 – 40 20 – 100 Variável
Tábua 10 – 40 Maior que 100 Variável
Viga Maior que 40 110 – 200 Variável
Vigota 40 – 80 80 – 110 Variável
Fonte: Madeira : uso sustentável na construção civil / Geraldo José Zenid

 

A nomenclatura e as dimensões da madeira serrada foram padronizadas pela resolução CONAMA 411, devido às variações regionais das mesmas. Sua descrição correta deve ser informada na nota fiscal e no DOF.

CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA SERRADA

Descrição Espessura
(cm)
Largura
(cm)
Bloco, Quadrado ou Filé > 12 > 12
Pranchões > 7 > 20,0
Prancha 4,0 – 7,0 > 20,0
Viga > 4,0 11,0 – 20,0
Vigota 4,0 – 8,0 8,0 – 11,0
Caibro 4,0 – 8,0 5,0 – 8,0
Tábua 1,0 – 4,0 > 10,0
Sarrafo (ou Short) 2,0 – 4,0 2,0 – 10,0
Ripa < 2,0 < 10,0
Fonte: Resolução CONAMA 411/2009, anexo VII.

Manejo florestal

Prática de retirada seletiva e controlada de árvores e emprego de técnicas que reproduzem o ciclo natural da floresta.

MR – resistente à umidade

(moisture resistant)
MR é a sigla de moisture resistant que, em português, significa resistente à umidade. Compensados MR têm em sua composição resina uréia-formaldeído, resistem apenas à baixa exposição à água e são indicados para aplicações internas.
ver Adesivo

N

NIMF 15

A Norma Internacional de Medidas Fitossanitárias n°15 (NIMF 15) estabelece que, todas as embalagens fabricadas de madeira, utilizadas para o transporte internacional, sejam esterilizadas através de agrotóxicos e tratamentos térmicos.
ver Brometo de metila e Tratamento térmico

Região da madeira em que a base do galho é engastada, ou seja, embutida no tronco da árvore. Essa é uma característica natural à madeira e o número de nós presente em um compensado qualifica a chapa.
ver Classificação das chapas

Nó aberto

(nó solto)
Vazio proveniente do desprendimento de um nó. Compensados que apresentem nó aberto, em sua fabricação, são corrigidos com massa acrílica e lixamento.
ver

O

Organismos xilófagos

Insetos como o cupim, também conhecidos por lignívoros, que se alimentam de madeira e aceleram sua degradação natural.
veja também: Cupim: pequeno grande inimigo

OSB

(Oriented Strand Board | Painel de Tiras de Madeira Orientadas)
Painel reconstituído de madeira, formado por tiras (strands) de madeira dispostas em três – e até cinco, camadas perpendiculares, unidas por resinas resistentes ao cupim e à umidade, e prensadas a altas temperaturas.
veja também: Oriented Strand Board – OSB

P

Pallet

(Palete)
Estrado ou plataforma produzido de madeira, plástico ou metal, utilizado nas operações de carga e descarga em fábricas, depósitos, portos e nos diversos lugares em que os produtos são transportados e armazenados até chegarem ao consumidor final.
veja também: O que são pallets?

Pallet PBR

O Palete Padrão Brasil (PBR) foi instituído pela ABRAS em 1990. Com dimensões iguais às adotadas nos EUA e na Europa, o PBR possui resistência para suportar inúmeros transportes e cargas variáveis. Proporciona segurança no armazenamento de produtos e economia de madeira em sua produção.
veja também: Palete Padrão Brasil

Prensagem

Etapa de produção do compensado em que as lâminas são prensadas, primeiramente, a frio para facilitar o carregamento das chapas na prensagem final (a quente) e melhorar a qualidade de colagem. E, por fim, são prensadas a quente, onde o compensado é exposto à pressão e temperaturas elevadas por um tempo determinado.
veja também: Como é produzido o compensado de madeira

S

Selo CIPP

(Convenção Internacional de Proteção das Plantas | IPPC – International Plant Protection Convention )
O selo CIPP é inserido nas madeiras que foram submetidas a tratamentos fitossanitários. Deve ser fixado em local visível, informar o país de origem e o tratamento em que a embalagem foi submetida. Se MB ou HT.

IPPC
XX – A sigla do país, de acordo com as normas ISO (no Brasil, BR);
000 – Número do credenciamento da empresa que realizou o tratamento;
YY – O tipo de tratamento a que a embalagem, suporte ou material de acomodação foi submetida: HT (Tratamento Térmico) ou MB (Fumigação com Brometo de Metila).
Fonte: CIESP.

ver Brometo de metila e Tratamento térmico

Selo FSC

(Forest Stewardship Council | Conselho de Manejo Florestal)
O selo FSC é inserido em madeiras, e produtos derivados, provenientes de florestas gerenciadas de forma ambientalmente correta, socialmente justa e economicamente viável.

selo FSC

Veja também: Madeira Certificada

T

Tratamento térmico

( heat treatment | ht)
Tratamento fitosanitário em que a madeira é aquecida em estufa, devendo o cerne alcançar 56°C e permanecer nessa temperatura por, pelo menos, trinta minutos. Mais moderno e seguro em relação aos tratamentos com agrotóxico.
ver Brometo de metila

U

Uréia-formaldeído

(resina uréica | UF)
Resina sintética produzida através da reação de uréia com formaldeído. É utilizada na produção de compensados resistentes à umidade.
ver Adesivo

V

Vazio

Abertura na junção das lâminas do compensado ou trinca das mesmas.

Vazios de concretagem

( nichos de concretagem, bicheiras)
São falhas que ocorrem durante a concretagem de um elemento estrutural, onde os componentes do concreto (brita e argamassa) se segregam. Para evitá-los, é preciso dimensionar o traço correto para a concretagem e certificar-se de que as fôrmas estão estanques.

patologias do concreto - bicheiras

Veja também: Patologias do concreto: bicheiras

W

WBP

(weather and boil proof)
WBP é a sigla de weather and boil proof – significa que o compensado resiste às ações do tempo com melhor desempenho. Composto por resina fenol-formaldeído, é à prova d’água e indicado para aplicações externas.
ver Adesivo